O conceito de "engenharia" existe desde a idade antiga, desde a época em que foi inventado pelo ser humano a polia, a alavanca, a roda, na descoberta do domínio do fogo, no polimento das pedras e no cozimento dos alimentos, surgidos ainda no período Paleolítico.

Cada uma dessas invenções foi definida através da engenharia, explorando princípios básicos de mecânica para desenvolver ferramentas e objetos que tivesse alguma utilidade.

No período Neolítico ocorreu uma revolução tecnológica com a introdução da agricultura e domesticação de animais, e posteriormente a fabricação de machadinhas em fábricas rudimentares.
Com esta inovação no modelo da sociedade, os homens foram se dedicando ao aprimoramento destas obras, tendo em vista que com tal desenvolvimento, puderam trabalhar menos e se dedicar mais ao pensamento, por tanto se desenvolvendo cada vez mais.
Por volta do ano 2000 A.C. começou a idade dos metais, nesta mesma época a roda foi inventada, bem como a construção das primeiras máquinas simples. Ao longo dos séculos, novas descobertas foram feitas e os conhecimentos foram se avolumando.

O termo “engenharia” tem uma etimologia mais recente, que se deriva da palavra “engenheiro”, que está na língua portuguesa desde o início do século XVI e que se refere a alguém que constrói ou opera um engenho. Naquela época, o termo “engenho” referia-se apenas a uma máquina de guerra como uma catapulta ou uma torre de assalto. A palavra “engenho”, em si, tem uma origem ainda mais antiga, vindo do latim “ingenium” que significa “gênio“.

Em 1450, Johanmes Glenshfleish (Gutenberg), partindo de uma antiqüíssima invenção dos chineses, a imprensa, a aperfeiçoou e mecanizou o processo, garantindo uma impressão mais rápida. Este fato injetou novo dinamismo no processo intelectual, porque a partir daí os conhecimentos passaram a circular com maior velocidade, pois eram reproduzidos mais facilmente. Até esta época os conhecimentos só circulavam verbalmente ou por raros manuscritos. Com a rápida expansão dos conhecimentos científicos e com a sua aplicação aos problemas práticos, surge o engenheiro, como resultado de todo um processo de evolução ocorrido durante milênios. Posteriormente com a evolução da matemática e da física, a engenharia chegou ao século XVIII com um conjunto sistemático e ordenado de doutrinas. Este fato estabeleceu um marco divisório entre duas engenharias: a Engenharia do passado e a Engenharia moderna.

A engenharia moderna é aquela que se caracteriza pela aplicação generalizada dos conhecimentos científicos à solução de problemas. Ela pode dedicar-se, basicamente, a problemas de mesma espécie que a engenharia do passado se dedicava, porém com a característica distinta e marcante que é a aplicação da ciência. Esta aplicação é sempre pautada em conhecimentos tais como: modelagens matemáticas dos fenômenos físicos, estrutura da matéria, fenômenos eletromagnéticos, composição química dos materiais, leis da mecânica e transferência de energia, dentre outros.

Com a revolução industrial notou-se que tudo o que era construído pelos homens podia sê-lo usando os princípios básicos da ciência. Um dos iniciadores desta era foi Leonardo da Vinci (1452-1519). Posteriormente no século XVII, Galileu Galilei iniciou a real mentalidade cientifica. Em 1590 Galileu fez uma experiência, disposto a por a prova ensinamentos de Aristóteles. Outro marco da ciência moderna na engenharia é um trabalho de Galileu, publicado em 1638, onde é deduzido o valor da resistência à flexão de uma viga engastada numa extremidade e suportando um peso na sua extremidade livre. Foi devido à engenharia moderna que se deu a Revolução Industrial, pois foi nesta época que implantou-se a máquina a vapor na industria de tecelagem.

Em 1832 foi construído o primeiro motor elétrico, como fonte de energia, pelo fabricante francês Hippolyte Pixii, mas foi em 1871 que Gramme utilizou o motor elétrico na prática.
Com relação ao surgimento de escolas de ensino de engenharia, sabe-se que a primeira escola dedicada à formação de engenheiros e artilheiros teria sido fundada em Veneza em 1506. Em 1747, foi criada na França a primeira escola de engenharia do mundo, a École des Ponts et Chaussées; em 1778 a École des Mines e, em1794, o Conservatoire des Arts et Métiers. Mas estas escolas eram voltadas para os ensinos técnicos diferentes da  École Polytechinque (1774), estabelecendo, assim, uma divisão da engenharia em dois campos: o prático e o teórico.

Posteriormente foram sendo criadas escolas técnicas nos paises de língua alemã, como as escolas de Praga (1806), Viena (1815), Karlsruhe (1825), Munique (1827), e a mais importante de todas, a de Zurique (1854). Nos Estados Unidos, a mais antiga escola de engenharia foi a Academia Militar de West Point em 1794. A seguir veio o Instituto deTecnologia de Massachusetts (MIT) em 1865 e o Instituto de Tecnologia da Califórnia (Califórnia Institute of Technology) em 1919.

No Brasil, a engenharia começou através das atividades dos oficiais-engenheiros e dos mestres construtores de edificações civis e religiosas. Devido ao modelo esclavagista, a engenharia no Brasil se manteve atrasada por muitos anos, pois esse modelo impedia a implantação da indústria no país.

A referencia mais antiga do ensino da engenharia no Brasil parece ter sido a contratação do holandês Miguel Timermans, em 1648-1650. A primeira escola de engenharia propriamente dita foi a Academia Real Militar, criada em dezembro de 1810 pelo príncipe Regente (futuro Rei D. João VI), vindo a substituir a Real Academia de Artilharia, Fortificação e Desenho, esta instalada em 17/12/1792. Em 25 de abril de 1874, através do Decreto n. 5600, foi criada a Escola Politécnica do Rio de Janeiro; em 1876 foi criada a Escola de Minas de Ouro Preto; em 1893 a Politécnica de São Paulo; 1896 a Politécnicado Mackenzie College e a Escola de Engenharia do Recife; em 1897 a Politécnica da Bahia e a Escola de Engenharia de Porto Alegre.
Os dados mais recentes do Censo, de 2007, mostram que atualmente a engenharia representa 5,58% do total de cursos do país, sendo o terceiro em termos numéricos. Na Sinopse da Educação Superior de 2007 do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), foram encontrados 1.311cursos de graduação em engenharia.

Conforme disposto na Sinopse da Educação Superior, em 2007 formaram-se 32128 engenheiros, o que representa 4,19% do total de diplomados naquele ano.

À medida que o projeto de estruturas civis, como pontes e edifícios foram crescendo como uma especialidade técnica autônoma, entrou o termo “engenharia civil” como forma de distinção entre a atividade de construção daqueles projetos não militares e a mais antiga especialidade da engenharia militar. Hoje em dia, os significados originais dos tempos “engenharia” e “engenharia civil” estão totalmente ultrapassados, mas ainda são usados em alguns países ou dentro de forças armadas.

Primeiros engenheiros da história da engenharia e suas obras

O primeiro engenheiro do Egito, foi Imhotep. Conhecido como o engenheiro do faraó Djoser na 3ª dinastia. ImHotep foi o construtor da primeira pirâmide do Egito, a Pirâmide de Djoser. A pirâmide projetada por ImHotep adquiriu sua forma atual através de muitas alterações no projeto original. Primeiramente planejava-se um túmulo convencional, uma mastaba, um edifício simples contendo as câmaras funerárias para o sarcófago e os tesouros. Mas o projeto foi ampliando-se, a mastaba foi ficando maior, ganhando degraus e complexidade, templos funerários e toda uma série de cálculos e técnicas foram desenvolvidas para erguer e sustentar a pirâmide.

Primeira pirâmide do Egito

Um outro grande engenheiro, porém grego, foi Arquimedes de Siracusa, um matemático, físico, engenheiro, inventor, e astrônomo. Embora poucos detalhes de sua vida sejam conhecidos, são suficientes para que seja considerado um dos principais cientistas da Antiguidade. Ele inventou vários tipos de máquinas para usos militar e civil, incluindo armas de cerco, e a bomba de parafuso que leva seu nome. Experimentos modernos testaram alegações de que, para defender sua cidade, Arquimedes teria projetado máquinas capazes de levantar navios inimigos para fora da água e colocar navios em chamas usando um conjunto de espelhos.  Arquimedes foi morto por um soldado romano, mesmo após os soldados terem recebido ordens para que não o ferissem, devido à admiração que os líderes romanos tinham por ele.

Arquimedes de Siracusa, matemático, físico, engenheiro, inventor, e astrônomo.

E também, Marcus Vitruvius Pollio, que foi um arquiteto e engenheiro romano, que viveu no século I a.C., no período do Imperador Augusto. Vitrúvio deixou como legado uma obra em 10 volumes, aos quais deu o nome de De Architectura (aprox. 40 a.C.). Essa obra se constitui no único tratado europeu do período grego-romano que chegou aos dias atuais, sendo inspiração aos elementos arquitetônicos e estéticos das construções. Na comparação com a profissão de engenheiro, o arquiteto, desde sua origem esteve envolvido com as “Belas Artes” mais profundamente. O homem vitruviano (ou homem de Vitrúvio) é um conceito apresentado por Vitrúvio no livro De Architectura. Tal conceito é considerado um cânone das proporções do corpo humano, segundo um determinado raciocínio matemático e baseando-se, em parte, na divina proporção. O homem descrito por Vitrúvio apresenta-se como um modelo ideal para o ser humano, cujas proporções são perfeitas, segundo o ideal clássico de beleza. A proporção áurea ou divina proporção (ou número de ouro, número áureo, ou ainda proporção dourada) é uma constante real algébrica irracional denotada pela letra grega φ (phi) e com o valor arredondado a três casas decimais de 1,618.

O homem vitruviano (ou homem de Vitrúvio) é um conceito apresentado por Vitrúvio no livro De Architectura.

Contribuições da engenharia naquela época para os dias de hoje

Isaac Newton era um excelente matemático, e fez diversas contribuições como os teoremas “Binômio de Newton” e “Teoria das Flexões” (estudo sobre séries infinitas). Com este estudo matemático, Newton desenvolveu a base do “Cálculo diferencial e Integral”, um ramo da matemática que possui dinamismo, estuda movimentos, variações, quantidades, etc. Atualmente, o Cálculo é fundamental em diversos campos, inclusive a engenharia: a aplicação de equações de mais de uma variável, equações diferenciais ordinárias e parciais. Desta forma, faz uso em equação diferencial de vigas sobre base elástica, equação da placa (lajes), dinâmica das estruturas (vibrações) etc.

Galileu Galilei, foi um dos cientistas mais importantes da história e de grande importância para a engenharia, contribuiu com muitas invenções e aperfeiçoou diversas outras. Como o telescópio, por exemplo, embora tenha sido inventado em 1608 pelo holandês Hans Lippershey. Galileu construiu seu próprio telescópio em 1609, sem nunca ter visto Lippershey, e o aperfeiçoou ao longo do tempo, partindo de 3X de ampliação para cerca de 30X. Ele construiu seu primeiro telescópio com base em descrições que ouvira e foi o primeiro a utilizar para observar o céu. Também inventou o compasso geométrico, um instrumento científico com dois braços que pode ser usado ​​para fazer cálculos e medições geométricas. E uma das “invenções” mais famosas de Galileu foi a confirmação de que o sol é o centro do nosso sistema solar. A esse cientista também é creditado a invenção de um microscópio com duas lentes, e contribuiu para invenções de outras peças de tecnologia, como por exemplo um termômetro no início da década de 1590.

Pierre Simon Marquis de Laplace, Matemático, astrônomo e físico-químico francês nascido na localidade de Beaumont-en-Auge, província da Normandia, que pesquisou mecânica celeste, eletromagnetismo e probabilidade, e ficou mais conhecido por sua hipótese da origem do mundo. Foi levado por amigos militares para a Escola Militar de Paris, onde se tornou professor de matemática (1769). Iniciou a compilação das pesquisas e teorias astronômicas de Isaac Newton, Edmundo Halley e outros célebres cientistas (1773), cujas obras encontravam-se dispersas, e buscou explicar as aparentes anomalias das órbitas planetárias. Colaborou com Antoine Laurent Lavoisier em trabalhos de calorimetria (1780-1784), formulou uma teoria matemática da capilaridade e as leis elementares do eletromagnetismo, mediu a velocidade da propagação das ondas sonoras, etc. Provou experimentalmente que a respiração era uma forma de combustão (1783); inventou um calorímetro de gelo (1784).  Realizou cálculos minuciosos sobre os efeitos gravitacionais recíprocos de todos os corpos do sistema solar e descobriu que as órbitas ideais propostas por Isaac Newton apresentavam desvios periódicos. Publicou muitos artigos e livros sobre mecânica, álgebra, análise e geometria. Publicou Les lois du système planetaire(1788) e a obra que lhe deu mais nome - Exposition du Système du Monde (1796), onde explicou a origem do Sol e dos planetas. Sua principal obra mecânica foi Traité de Mécanique Céleste(1799-1825), publicada em cinco volumes, onde desenvolveu uma completa interpretação da dinâmica do sistema solar, apoiada em teses matemáticas, aperfeiçoando a mecânica celeste de Newton, e sobre a gravidade universal. Descreveu suas investigações sobre gravidade e estabilidade dos movimentos planetários e teceu considerações sobre a sua famosa hipótese nebular da origem do sistema solar.

 

A engenharia no Brasil

O ensino da engenharia no Brasil tem origem em 1699, altura em que o rei D. Pedro II de Portugal ordena a criação de aulas de fortificação em vários pontos do Império Português. O objetivo era formar técnicos de engenharia militar nos territórios ultramarinos, de modo a que estes estivessem menos dependentes de engenheiros vindos do Reino. Em território brasileiro, seriam criadas estas aulas no Rio de Janeiro, em Salvador da Bahia e no Recife.

No entanto, a mais antiga escola a ministrar cursos de engenharia segundo os moldes modernos foi a Real Academia de Artilharia, Fortificação e Desenho, fundada em 1792 no Rio de Janeiro pela rainha D. Maria I de Portugal, segundo o modelo da academia com o mesmo nome existente em Lisboa. A atual Escola Politécnica do Rio de Janeiro e o Instituto Militar de Engenharia consideram-se sucessores daquela academia, este último reivindicando ser a mais antiga escola de engenharia das Américas.

Os profissionais de engenharia e de áreas correlatas são regulamentados pelo Conselho Federal de Engenharia e Agronomia e fiscalizados pelos conselhos regionais.

Há um crescente déficit de engenheiros no Brasil devido, em grande parte, ao alto índice de evasão dos estudantes da graduação na área. A Federação Nacional dos Engenheiros estima que seriam necessários ao menos 60 mil novos engenheiros formados por ano em um “cenário de expansão econômica”. Todavia, em 2011, esse número foi de apenas 42,8 mil segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira – Inep.

Alguns grandes e importantes engenheiros no mundo

Edward Murphy Jr(11 de janeiro de 1918 — 17 de julho de 1990) – Estados Unidos – foi um engenheiro aeroespacial panamenho que trabalhou em sistemas críticos de segurança e é mais conhecido pela Lei de Murphy que diz que “qualquer coisa que pode correr mal, vai correr mal”.

 

Uma das grandes obras de engenharia de Niemeyer.

Oscar Niemeyer (15 de dezembro de 1907—  5 de dezembro de 2012) – Brasil – Engenheiro arquiteto mais conhecido pelos projetos de edifícios cívicos de Brasília, colaborou também em um grupo de arquitetos que projetou a sede das Nações Unidas em Nova York, nos Estados Unidos.

Lewis Urry (29 de janeiro de 1927 – 19 de outubro de 2004) – Canadá – Engenheiro químico, inventou as pilhas de lítio e alcalinas.

Victor Mills (28 de março de 1897 — 1 de novembro de 1997) foi um engenheiro químico para a empresa Procter & Gamble. Ele é creditado pela criação das fraldas descartáveis ​​da marca Pampers, e também pelas melhorias de produção de sabonetes Ivory e o preparo de bolo da marca Duncan Hines.

Estrada de ferro Mauá, no atual estado do Rio de Janeiro.

Irineu Evangelista de Sousa – barão e visconde de Mauá (28 de dezembro de 1813 – 21 de outubro de 1889) – Brasil – Dentre as suas maiores realizações encontra-se a implantação da primeira fundição de ferro e estaleiro no país, a construção da primeira ferrovia brasileira, a estrada de ferro Mauá, no atual estado do Rio de Janeiro, o início da exploração do rio Amazonas e afluentes, bem como o Guaíba e afluentes, no Rio Grande do Sul, com barcos a vapor, a instalação da iluminação pública a gás na cidade do Rio de Janeiro, a criação do primeiro Banco do Brasil, e a instalação do cabo submarino telegráfico entre a América do Sul e a Europa.

Diversas áreas de engenharia

São várias áreas para atuação de engenharia e a cada dia que se passa novos ramos da engenharia vão surgindo. Em 29/06/09, o MEC anunciou uma mudança nos nomes dos cursos de graduação, entre eles, os cursos de:

  1. Engenharia Aeronáutica
  2. Engenharia Agrícola
  3. Engenharia de Agrimensura
  4. Engenharia de Alimentos
  5. Engenharia Ambiental
  6. Engenharia Civil
  7. Engenharia de Computação
  8. Engenharia de Controle e Automação
  9. Engenharia Elétrica
  10. Engenharia Eletrônica
  11. Engenharia Florestal
  12. Engenharia de Fortificação e Construção
  13. Engenharia Mecânica
  14. Engenharia Mecânica e de Armamento
  15. Engenharia de Materiais
  16. Engenharia de Minas
  17. Engenharia Metalúrgica
  18. Engenharia Naval
  19. Engenharia de Pesca
  20. Engenharia de Produção
  21. Engenharia Química
  22. Engenharia de Telecomunicações